Editorial | ONAS-Covid19 | 02.08.2020 | Demografia para a sociedade: mais do que apenas uma linha no Lattes

Neste mês de julho, quarto mês após o início dos primeiros casos de Covid-19 no Brasil e das medidas de distanciamento social, nosso grupo de pesquisa teve noticias importantes. Seriam motivos para comemoração inequívocos, caso não fosse um contexto de excepcionalidade e de contingências como esse que estamos vivendo. Vivemos tempos de negacionismo científico e de grandes incertezas no mundo então, por isso, avaliamos que seja uma grata notícia ter esse reconhecimento.

Estou falando aqui de dois pontos: primeiro, do reconhecimento do trabalho da nossa colega Luciana Lima, docente do PPGDem/UFRN, que foi convidada a integrar o grupo consultivo de especialistas do governo do Estado do Rio Grande do Norte para o enfrentamento da Covid-19. Luciana tem atuado em conjunto com o grupo de pesquisa @isola_ai para analisar e acompanhar os indicadores de distanciamento social e também discutir seus efeitos e relações com as dinâmicas sociais, econômicas e demográficas. Ao longo desses quatro meses, diversas análises do grupo foram publicadas no Observatório do Nordeste para Análise Sociodemográfica da Covid-19 (ONAS-Covid19) e alcançaram projeção dos meios de comunicação da região e até nacionais.

O segundo ponto que mereceu nossa atenção foi sabermos que nossos esforços de pesquisa e divulgação científica ao longo desta crise sanitária tiveram aplicação. Conforme publicamos aqui no nosso site no dia 31.07, os trabalhos publicados pelo ONAS foram utilizados para compor o documento do grupo consultivo para subsidiar a decisão do governo do Estado do RN a reavaliar a data de retomada das atividades escolares que estava prevista para este início de agosto. A Recomendação n.13/2020 deste grupo consultivo pode ser consultada no portal da Covid-19 dentro da seção do Comitê Científico.

Cabe ressaltar que essas análises do ONAS foram publicadas no final de março e início de abril e não estávamos ali discutindo o contexto da retomada das atividades escolares, mas analisando os potenciais efeitos positivos da suspensão das aulas sobre o avanço nas contaminações pelas crianças e suas redes familiares, do impacto geral sobre a circulação de pessoas, entre outros processos. Ainda no início da pandemia.

Quando divulgamos nossas pesquisas nesse formato de notas curtas com fins de divulgação científica, adicionamos um tipo de análise que normalmente é pouco valorizado nos meios acadêmico-científicos. Tradicionalmente, somos comparados e avaliados pelas aulas que damos, pelas orientações de alunos que fazemos, pelas pesquisas que conduzimos e, principalmente, pelos artigos publicados em revistas científicas. Assim, há até certo preconceito, no meio acadêmico, em relação aos pesquisadores que se “sujeitam” a escrever textos mais gerais que não sejam publicados em periódicos de alto fator de impacto, sobretudo em língua estrangeira. Assim como, também há certo preconceito em relação aos pesquisadores que aparecem nas mídias sociais e dão entrevistas para canais de TV.

Enfim, nosso projeto (que formalmente foi cadastrado em maio como projeto de extensão) iniciou-se ao final de março por conta do nosso incomodo em relação ao negacionismo científico que ainda vemos avançar na sociedade. Naquele momento, não tínhamos expectativas sequer que nossos trabalhos seriam lidos e hoje já temos pelo menos 100 registros de divulgações de nossas análises nos meios de comunicação. Só tínhamos uma sensação de que era importante contribuir com análises demográficas para a sociedade. A pesquisa e a pós-graduação que é desenvolvida sobretudo dentro das Universidades Públicas pode e deve sair de dentro dos muros mentais que criamos em algum momento. A demografia é um campo de científico pouco conhecido, mas que tem potencial analítico importante para ajudar a entender algumas dinâmicas da sociedade. Podemos contribuir somente por sabermos que precisamos, e não porque vamos adicionar uma linha nos nossos currículos. Fazer pesquisa pode ser mais que isso…

Ainda temos muito o que fazer. Sigamos…

Editorial | 02.08.2020 | Ricardo Ojima | Coordenador do ONAS-Covid19 | Programa de Pós-Graduação em Demografia | Universidade Federal do Rio Grande do Norte | Demografia para a sociedade: o impacto social da pesquisa e pós-graduação

Confira essa e outras análises demográficas também no ONAS-Covid19 [Observatório do Nordeste para Análise Sociodemográfica da Covid-19] https://demografiaufrn.net/onas-covid19

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s