Dia 14/12/2020 – Banca de QUALIFICAÇÃO: ANGELA THAÍS ARAÚJO DE ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANGELA THAÍS ARAÚJO DE ALMEIDA
DATA : 14/12/2020
HORA: 09:00
LOCAL: VIDEOCONFERÊNCIA VIA PPGDEM/UFRN  – Clique aqui para se inscrever para assistir a banca.
TÍTULO:

MOBILIDADE ESPACIAL DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA NO NORDESTE BRASILEIRIO: UMA ANÁLISE ENTRE OS ANOS DE 2013 A 2017
PALAVRAS-CHAVES:

Mobilidade espacial; Migração; Pessoas com deficiência; Educação
PÁGINAS: 36
RESUMO:

Nas últimas décadas, a questão da deficiência começou a ser debatida com mais frequência internacionalmente. Este fato ocorreu quando os deficientes começaram a se posicionar e buscar os seus direitos. Apesar dos avanços nas políticas internacionais e nacionais tentarem incluir os deficientes na sociedade, estes, muitas vezes, ficam impedidos de realizar um direito fundamental, que é o de estudar, por conta de alguma limitação ou obstáculo encontrado. Os estudos sobre mobilidade espacial dessas pessoas são muitos escassos, por esse motivo, não se conhece o comportamento migratório e a mobilidade pendular dessa parcela da população no Brasil. Os estudos que relacionam migração e deficiência estão mais voltados para a temática do mercado de trabalho, em contrapartida, são poucos os trabalhos que relacionam a migração, a deficiência e a mobilidade pendular sob o ponto de vista educacional. Neste sentido, esta pesquisa tem como escopo focar na mobilidade espacial dessas pessoas para fins educacionais. O objetivo principal desse estudo é analisar os fatores que influenciam a mobilidade espacial dos estudantes com necessidades especiais na região Nordeste. Como objetivos específicos, propomo-nos  a traçar o perfil sociodemográfico dos estudantes com deficiência, verificar o comportamento da migração e da mobilidade pendular dessas pessoas, investigar se o tipo de deficiência associado à distância entre o local de residência e estudo seria um fator que inibiria a migração e a mobilidade pendular, bem como averiguar  se a  infraestrutura da escola, a formação do corpo docente, a disponibilidade AEE, transporte escolar e merenda se caracterizam como fatores de atração para pessoas com deficiência. Esta pesquisa se caracteriza como exploratória e adota uma abordagem qualitativa-quantitativa, tendo caráter bibliográfico e de ordem descritivo-interpretativista.  Em relação ao viés metodológico, utilizamos como fonte de dados o Censo Escolar (2013 a 2017), visto que, a partir desta fonte, identificamos o perfil sociodemográfico das pessoas com deficiência, as características arquitetônicas das escolas e a formação dos docentes. A combinação de dados do aluno, do docente e da escola permitiram analisar a mobilidade espacial, a migração e a mobilidade pendular dos estudantes do Ensino Fundamental e Médio que realizaram alguma dessas mobilidades na região Nordeste. Espera-se que as análises destaquem que tanto a migração como os deslocamentos pendulares ocorrem em direção a grandes centros urbanos, e que a infraestrutura da escola e o corpo docente são fatores de atração.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição – EMERSON AUGUSTO BAPTISTA
Interno – 1422122 – JÁRVIS CAMPOS
Interno – 1880578 – RICARDO OJIMA
Presidente – 102.396.358-25 – WILSON FUSCO – FJN

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s