Rasgai #33 destacou pesquisa do PPGDem sobre o feminicídio no RN

O episódio #33 do Rasgaí conversou com a pesquisadora Kelly Christina da Silva Matos. Ela é estatística e defendeu sua dissertação em demografia na UFRN em março de 2021. O tema da pesquisa foi sobre as mortes violentas femininas ocorridas no estado do Rio Grande do Norte no período de 2011 a 2020. Os dados são da parceria do PPGDem com a Rede e Instituto Óbvio (o Observatório da Violência do RN) e permite uma análise detalhada desse tipo de criminalidade ao longo do período. A dissertação foi orientada pela docente do PPGDem, Jordana Cristina de Jesus que, juntamente com outros pesquisadores, integram o Óbvio. Você pode acessar a dissertação completa no repositório institucional da UFRN clicando AQUI.

No mês de março de 2021 o Rasgaí abordou, em 4 episódios, temas relacionados à desigualdade de gênero em alusão ao Dia Internacional da Mulher. O quarto episódio da série foi sobre o feminicídio na região Nordeste (Rasgai 19), com a convidada Karina Cardoso Meira. Trata-se de um tema da maior relevância, então, vamos retomar esse debate hoje. Como vimos, o feminicídio ocorre quando a motivação do homicídio está relacionado à violência sexual, o menosprezo pela condição feminina, a discriminação de gênero, etc. E, no caso brasileiro, é considerado crime hediondo desde 2015.

A violência contra a mulher é um problema social complexo e não deve ser tratado apenas a partir de uma política de segurança pública. É urgente proteger as mulheres vítimas de violência, mas talvez não baste construir mecanismos de repressão. O ideal mesmo seria disseminar o reconhecimento de que essa situação é resultado de aspectos que são relativizados pela sociedade. Como destacado pela Kelly, enquanto nossa sociedade minimizar e rebaixar o papel da mulher em relação ao do homem, tais desigualdades tendem a reproduzir um comportamento violento contra elas.

Este ano o Supremo Tribunal Federal decidiu por unanimidade que viola a constituição a utilização da argumentação de legitima defesa da honra na argumentação de defesa em crimes de violência contra a mulher e o feminicídio. Surpreende que até outro dia era permitido a um homem que matou sua companheira justificar tal ato por ter tentado proteger a sua honra e dignidade, por suposta traição, por exemplo. Ou seja, fazendo com que fosse transferida à vítima a culpa pela sua morte ou agressão. Enfim, o uso dessa argumentação absurda era válida até 2021, mas mostra o quão naturalizado é a cultura de violência contra a mulher.

O Rasgaí está disponível nas plataformas de streaming e pode ser acessado gratuitamente. Clique no link da plataforma de sua preferência abaixo e siga o Rasgaí para receber notificações de novos episódios.

Spotify | Deezer | Anchor | iTunes | Breaker | RadioPublic | PodcastAddict | TuneIn | GooglePodcasts | PocketCasts | CastBox | Podbean | AmazonMusic | Podchaser | Casthood | Stitcher | PlayerFM | OvercastYoutube

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s